segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018






A LENDA DO GIRASSOL




Quando o mundo ainda não existia e havia apenas a escuridão, Deus decidiu iluminá-lo com o sol e a lua. O sol resplandeceria durante o dia aquecendo a vida na Terra e a lua iluminaria as noites frias e quentes, acarinhando os corações solitários.

Não tardou para que Ele decidisse desenhar constelações com pequenos pontinhos brilhantes no céu, para alegrar as noites, fazer companhia à lua e acalentar a imaginação dos poetas. Assim as estrelas foram criadas.

Dentre elas havia uma em especial, que se encantou pela beleza e a grandeza do sol. Todos os dias ela se apressava e era a primeira a surgir faiscante no céu, só pra poder dar um olá, antes que ele se escondesse. E toda vez que ele se punha, ela chorava e suas lágrimas caíam sobre a terra se transformando no orvalho da noite.

A lua se condoeu com as lágrimas da pequena estrela. Tentava encorajá-la dizendo que ela nasceu para cintilar no firmamento. Mas, não adiantava. A estrelinha não se conformava por ter que se separar todas as noites de um amigo tão especial, que a aquecia e a fazia brilhar mais forte. Ela amava cada raio do sol e o seu calor.

Ao ver tamanha tristeza, a lua pediu a Deus que fizesse algo pela jovem e frágil estrela, cujo brilho se apagava diante da distância do amigo, ao qual tanto admirava.

À vista disso, Deus em sua imensa bondade pediu ao vento que a ajudasse. Este se aproximou da estrelinha e num sopro lhe disse que para realizar o sonho de ficar mais tempo perto do sol, ela teria que deixar o céu e ir morar na Terra. Dessa forma, perderia o seu brilho e não mais poderia ser uma estrela.

Foi assim que ela se transformou em uma estrela cadente e caiu na Terra em forma de semente.

O vento a recebeu com carinho e a plantou com todo o cuidado em uma terra fértil e macia. Regou-a periodicamente com a chuva das nuvens que ele soprava em sua direção.

Não tardou a germinar, desabrochar e a florescer. Conforme crescia procurava sempre seguir o sol. Lentamente suas pétalas foram se abrindo, girando devagarzinho na direção do sol. De tanto acompanhá-lo, suas pétalas se vestiram de dourado, a cor do sol.

É por isso que os girassóis até hoje, explodem o seu amor em lindas pétalas amarelas, como se fossem estrelas de flores aqui na Terra.

Diz a lenda que quando o último girassol desaparecer, o sol se apagará de tristeza, pois não era a flor que girava pra ele. Ela apenas dançava, e ele admirado a seguia.

Amizade e admiração, a identidade de almas raramente encontrada, essa é a história contada na lenda do girassol.

Os sentimentos que nos tiram da escuridão e nos conectam com a essência do nosso ser.

Amigos de verdade não duram dias ou meses, duram anos, toda uma vida e, com certeza, tornam o nosso céu mais estrelado. Feito café da tarde com bolo de fubá. Feito colo que aquece a tristeza. Feito chuva na janela numa tarde de verão. Feito brisa soprando no mar. Feito emoji no Whatss que transforma o dia.

É um querer partilhado feito de abraços, confidências, sonhos, desabafos, zelo, respeito, carinho, admiração... Amigo conhece o amigo só no olhar, feito o sol e o girassol. Tão familiar, tão próximo, tão mágico!!!

A amizade é um amor autêntico. Afeição genuína e linha tênue entre quem somos e o outro é, como o por e o nascer do sol.

É possível que alguns não saibam o quanto são importantes, necessários e estimados por nós. Não tenham a dimensão da nossa admiração e do quanto a sua presença nos aquece. Inclusive aqueles que sentimos como raios de sol, apesar da distância.

Por vezes eles estão tão presentes em nossa vida, que basta um lugar ou uma música para nos lembrarmos deles, tal qual o vento ao soprar no jardim.

Amigos são como uma bênção divina. Indispensáveis para o nosso equilíbrio e harmonia vitais. Sem eles muitas vezes sucumbiríamos. Eles nos fortalecem com o seu acolhimento, amor fraterno e riso solto, alimentando a alma e a esperança na vida, por vezes tão devastada pelo que experimentamos e o mundo tão conturbado em que vivemos.

Quando algum deles se vai pra sempre, sentimos um vazio imenso, feito o girassol que perdeu o seu sol. É por essa razão que rezamos, sem que eles saibam, para que Deus os cuide e preserve num potinho.

Como escreveu certa vez o poetinha: “A gente não escolhe os amigos. Reconhece-os”, da mesma forma que o girassol reconhece o sol...





Dedicado com carinho aos meus amigos presentes e ausentes, do mundo real e virtual.



Shadow/Mariasun Montañés


Licença Creative CommonsA LENDA DO GIRASSOL de MARIASUN MONTAÑÉS está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-SemDerivações 4.0 Internacional.



terça-feira, 13 de fevereiro de 2018






QUANDO O CARNAVAL ENCONTRA O POLITICAMENTE CORRETO



Final de tarde em São Paulo. Crianças saltitantes e sorridentes vestidas de super-heróis, havaianas, indiozinhos, bailarinas, piratas, ciganinhas, com confetes coloridos na cabeça, voltam para casa com seus pais, estes de bermuda e camiseta, as mães com tiaras estilizadas enfeitando o cabelo. Provavelmente eles se somaram aos milhares de foliões que brincaram atrás do trio elétrico dos blocos carnavalescos, que tomaram as ruas e avenidas da cidade: Avenida 23 de Maio, Centro, Pinheiros, Vila Madalena,  Ibirapuera e... até o litoral paulista.

Por muito tempo, o Carnaval em São Paulo foi motivo para colocar as malas no carro e viajar ou participar da folia nos salões dos clubes.

Quantos bailes no salão ao som das marchinhas!!!: “mamãe eu quero...”, “se você fosse sincera...”, doutor eu não meu engano,...”, “olha a cabeleira do Zezé...”, “Maria escandalosa...”, “sassaricando, todo mundo leva a vida no arame...”, “mulata bossa nova...”, “eu sou o pirata da perna de pau...”, “Chiquita bacana lá da Martinica...”.

Quatro dias de folia, sete bailes de uma alegria contagiante, tendo início na matinê do sábado e terminando na noite de terça-feira, sempre com muita batalha de confete e serpentina. Todos cantando, pulando, andando em círculo em volta do salão, cuidadosamente enfeitado com máscaras de arlequins e colombinas pra tudo se acabar na Quarta-feira de Cinzas... Mas até a quarta chegar, o hino era um só:Hoje eu não quero sofrer, hoje eu não quero chorar; deixei a tristeza lá fora; mandei a saudade esperar, lá-lá-lá-lá. Hoje eu não quero sofrer, quem quiser que sofra em meu lugar...”.

Em poucos anos a festa de Momo começou a mudar na cidade da garoa. As escolas de samba paulistanas se estruturaram, organizaram, cresceram e transformaram em um grande espetáculo a céu aberto, à medida que os primeiros blocos carnavalescos, começavam - timidamente - a ocupar as ruas da cidade.

Até pouco tempo atrás seria inimaginável pensar que o Carnaval de São Paulo fosse sair dos salões para tomar as ruas e avenidas. Mas é o que aconteceu!!!

Este ano muitos paulistanos deixaram de viajar para viver o Carnaval da cidade. Inúmeros blocos surgiram no asfalto, congestionando ruas e avenidas de foliões, agrupando famílias, amigos e desconhecidos, numa corrente de animação, marchinhas e muito deboche, num vale tudo espontâneo e improvisado.

Pena, no entanto, que o discurso e a patrulha do “politicamente correto” também tenha chegado ao Carnaval:

Já pensou essa multidão carnavalesca cobrando saúde, emprego e educação para o Brasil. Teríamos conseguido nossos direitos a muito tempo. Infelizmente o povo brasileiro se vende por quatro dias de festa...”. “As fantasias de índio, homem vestido de mulher, baiana e cigana devem ser banidas, por se tratar de apropriação cultural alheia...”. “As marchinhas de antigamente devem ser excluídas dos blocos, por serem preconceituosas, machistas e racistas...”. Oiiiiiiiii?!?!?

Não pode ser sério isso. Que tempos são estes?!?

O mundo dos ressentidos está ficando cada vez mais chato e sem graça. Afffff.... Daqui a pouco vão criar uma cartilha de boa conduta. Cada palavra, gesto e até mesmo o que vestir deve ser pensado, refletido, pra evitar a censura dos que querem normatizar até os pensamentos. Pelamor!!!

O que essa gente quer e espera???

Que nos enterremos em vida, nos castiguemos, torturemos e punamos, porque a corrupção corre solta e este país gigante foi exaurido e saqueado por uma casta política insaciável???

Aviso aos "politicamente corretos": Precisamos de Carnaval, futebol, música no parque, cinema, barzinho, teatro, shopping... SIM!!! Precisamos de diversão, de nos sentirmos felizes, desestressar, jogar conversa fora, falar e fazer bobagens... para nos sentirmos vivos!!!

Sorry, mas a diversão é vital para a sanidade mental. Além do mais, quatro dias de folia não irão mudar ou piorar os rumos do país. Ele continuará no atoleiro em que está. O ano tem mais 361 dias para que possamos cumprir nossas penitências.

As marchinhas de Carnaval fazem parte da nossa cultura e tradição. Foram criadas para brincar e pular nos dias de folia, sem guardar a intenção deliberada de ferir minorias ou quem quer que seja. O mesmo se diga quanto às fantasias de índio, cigana ou baiana.Tem coisa mais fofa do que crianças fantasiadas de indiozinhos?!? Como alguém pode ver apropriação cultural indevida nisso???  A cultura, aliás, é universal. Cultura que não é compartilhada é dogma, não cultura.

Para que algo seja visto como preconceituoso, é preciso que haja a vontade e o propósito de ferir, diminuir, ofender, agredir o outro. Não é o caso das marchinhas carnavalescas. Suas rimas e musicalidade já pertencem ao inconsciente coletivo dos foliões. Substituir as letras por outras politicamente corretas, para satisfazer o “bloco dos insatisfeitos”, é uma afronta e um atentado à nossa cultura.

Chega de tanto chilique e de tanta hi-po-cri-sia!!!

Essa patrulha sobre os nossos costumes é asfixiante!!! Tolhe liberdades e fomenta o ódio onde não há. Além do mais, desperta o desejo incontrolável de rebelar-se e de resgatar as nossas tradições e valores em resposta a esse patrulhamento descabido e ideologia modorrenta, preconceituosa e cheia de não me toques.

Sensíveis a isso, os paulistanos não decepcionaram. Levaram esse desejo aos blocos carnavalescos, que animaram a multidão entoando a plenos pulmões as marchinhas clássicas com muito mulato, negro, branco, criança, jovem, velho, homens, mulheres, índios, dançando ao lado de Lulas vestidos de presidiário, baianas e ciganinhas carregando nas mãos Pixulecos. Numa demonstração inequívoca de que o politicamente correto é um fracasso, a folia carnavalesca não torna as pessoas alienadas ou embotadas, até mesmo porque a irreverência e o humor escrachado dos blocos sempre serão o pesadelo dos políticos e da turma dos descontentes.

Quem se sentir incomodado sempre terá a opção de ir passar estes dias em um retiro espiritual, meditar, ao invés de azedar a diversão alheia.

Os patrulheiros de plantão creem que as pessoas são massa de modelar, passíveis de serem doutrinadas para seguir uma cartilha de comportamento, como a que impõe restrições às marchinhas ou fantasias de carnaval. Pois é... como canta Moraes Moreira, “atrás do trio elétrico,  só não vai quem já morreu...”.

Na folia de Carnaval quem dá o tom é o Momo, e... ele não está nem aí para o politicamente correto!!!





Shadow/Mariasun Montañés


Licença Creative CommonsQUANDO O CARNAVAL ENCONTRA O POLITICAMENTE CORRETO de MARIASUN MONTAÑÉS está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.


domingo, 4 de fevereiro de 2018



O DESTINO DE UMA NAÇÃO



"A lição é a seguinte: nunca desista, nunca, nunca, nunca. Em nada. Grande ou pequeno, importante ou não. Nunca desista. Nunca se renda à força, nunca se renda ao poder aparentemente esmagador do inimigo". (Winston Churchill)

A avalanche de escândalos na política, a barganha vergonhosa de cargos e “bolsa-reforma” entre Governo e parlamentares para a aprovação das Reformas, o casuísmo das decisões do STF soltando e blindando bandidos do colarinho branco, fez com que os brasileiros esperassem com grande expectativa a chegada de 2018. Ano eleitoral. Ano de varrer do cenário político as sanguessugas de vários partidos políticos, que há anos se agarram ao poder para enriquecer e perpetuar-se.

Qual será o destino desta Nação nos próximos meses???

Não temos bola de cristal para saber, até mesmo porque muito irá depender de quem assumir o poder. E o que este país necessita hoje, é de um líder. Não alguém que apenas se autointitule honesto, honestidade tem que vir junto com um Programa de Governo sólido, que leve ao enxugamento e eficiência do Estado, visando o crescimento econômico-social, sem conchavos ou distribuição de benesses. 

Chega de aventureiros no poder!!! Sofremos com isso desde que José Sarney pisou no Palácio do Planalto.

Na ausência de um líder, o poder paralelo do tráfico e da criminalidade se estabelecem. Fato. É isso que está levando o Rio de Janeiro a uma a guerra civil diária.

Não dá mais para aceitar um Governo fraco, que vai e volta, avança e recua em suas decisões, ficando à mercê dos caprichos e interesses escusos do Poder Legislativo, cujos partidos estabelecem valores $$$ ou exigem cargos no primeiro escalão para aprovar Projetos que irão beneficiar a população, como as Reformas.

Um dos principais líderes políticos do século XX foi Winston Churchill, personagem principal de “O Destino de uma Nação” de Joe Wright, com o excelente Gary Oldman no papel do Primeiro-Ministro britânico.

A cada cena do filme é inevitável o desejo de ver surgir por aqui um líder como ele, capaz de dar uma guinada transformadora na política tupiniquim, viciada e rançosa, que quase nos transformou em uma Venezuela.

O ”Destino de uma Nação” é pontual. Retrata os eventos dramáticos havidos no período de cinco semanas, em 1940, entre a renúncia de Neville Chamberlain (Ronald Pickup) ao cargo de Primeiro-Ministro, a relutante nomeação de Churchill para substituí-lo, suas estratégias para mobilizar aliados e aplacar rivais que buscavam firmar um tortuoso acordo de paz com Hitler, sua luta e conflitos para conquistar a confiança do próprio partido, da oposição e do povo, até o emblemático e contundente discurso We Shall Fight on the Beaches (“Lutaremos nas Praias”).

Nele(o discurso), Churchill, anunciou de forma emblemática e envolvente a possibilidade de um grande desastre militar (naquele momento soldados britânicos estavam acuados na região de Dunquerque, na França), bem como, a iminente invasão da Inglaterra pelo exército de Hitler, fomentando a necessidade de resistir bravamente, sem perder a esperança na vitória.

Foi por meio dessa fala e do seu impressionante poder de convencimento, que ele se consolidou como grande líder, em um dos momentos mais dramáticos da História da Segunda Guerra Mundial: o avanço da Alemanha Nazista no continente europeu e a invasão da França, onde estavam sitiados 300 mil soldados britânicos.

A tensão é crescente conforme o cerco alemão avança. Hitler se aproxima do Reino Unido. Diversas soluções são colocadas desesperadamente na mesa, muitos tramam e receiam os próximos movimentos do Governo, enquanto alguns soldados se sacrificam para o bem do país.

Não é por acaso que o diretor enquadra o Primeiro-Ministro em espaços reduzidos, na penumbra, quase na escuridão, para ilustrar o peso, a clausura e a solidão da tomada de decisões que determinam os rumos de um país. Com as costas curvadas e o andar vacilante, “ele parece carregar o peso do mundo nas costas”, observa em determinado momento Clementine (Kristin Scott Thomas), sua esposa, verbalizando a exaustão e o enorme fardo pelo assombroso poder nas mãos para garantir a integridade de seu povo e dos aliados.

As escolhas, o sacrifício de vidas e o esforço dramático para resgatar os soldados servem para dimensionar a grandeza e a atuação política do Primeiro-Ministro, cujo nome não era a primeira opção para o cargo, mas o único em condições de assumi-lo. Por meio de discursos inflamados no Parlamento e no rádio, de acalorados debates no Gabinete de Guerra ou no metrô, foi capaz de comover e mobilizar o povo, os parlamentares e até mesmo o contido Rei George VI (Ben Mendelsohn), a um embate militar contra o poderoso e temido inimigo, traçando o destino e o futuro de uma Nação.

Não, ele não negociou com dinheiro ou cargos suas ações políticas ou um possível acordo de paz com Hitler. Ele dialogou com firmeza nos espaços de poder e com empatia junto ao público, avaliando e calculando as consequências de cada passo a ser dado.

Em momento algum Churchill abriu mão das responsabilidades do cargo ou da soberania de seu país. Na luta interior travada com ele mesmo, foi ao encontro do povo, e por meio dessa conexão, se fortaleceu, ganhando apoio e credibilidade. Esse, aliás, é o princípio abstrato da Democracia: governar com e para o povo. O contrário do que vemos hoje, inclusive no que diz respeito à intervenção da ONU, tanto mais inepta quanto mais contaminada por uma ideologia de esquerda.

Na narrativa esse elo é dimensionado na relação do Primeiro-Ministro com Elisabeth Layton (Lily James), sua secretária.

O espectador se vê em Lady Layton. Ela é alguém que não pertence ao poder. Decisões são tomadas diante dela sem a sua participação, muito embora estas tenham reflexo em sua vida, na de seu irmão que está lutando na França, ao mesmo tempo, que é uma interlocutora de Churchill. Ela parece estar ali como que a lembrá-lo, de que a função de um Primeiro-Ministro é proteger o povo, não a de fazer jogos políticos, tentar levar a melhor em quedas de braço ou alimentar vaidades pessoais.

Essa interlocução tem forte simbologia e apelo. É o que vemos hoje nas redes sociais. Pessoas expressando seus anseios por um país melhor, livre da corrupção e da violência sem fim. No entanto, poucas vezes ouvidas, porque onde há desvio de dinheiro público, o Governo e os parlamentares estão mais preocupados em ocultar seus crimes e escapar da Justiça para não perder as mordomias e os cargos. Infelizmente, por aqui, o inimigo está onde não deveria: no poder.

Churchill, por sua vez, conseguiu salvar a maioria dos soldados do massacre.

Pediu, quase implorou a Franklin Roosevelt ajuda das Forças Armadas americanas. Mas, um Pacto de não Agressão impediu que os EUA agissem naquele momento. Então, o Primeiro-Ministro recorreu à população, pedindo a todos os civis que tivessem barcos, que se dirigissem para a região de Dunquerque, na França, naquela que viria ser a mais emblemática, inspiradora e heróica operação de resgate da História Contemporânea: a Operação Dynamo.

Quando tudo parecia perdido, em meio à densa neblina - como uma miragem - diversas embarcações, barcos e mais barcos, se aproximaram silenciosa e lentamente da costa francesa para resgatar os soldados, que encurralados, esperavam a morte pelas mãos dos nazistas. Talvez a falha do filme esteja justamente aí, ao não mostrar em detalhes o épico salvamento. Mas é compreensível. A narrativa está voltada para o homem brilhante, que decide e age.

Com a sua liderança e pulso firme Churchill foi capaz de unir o povo e o Parlamento e de liderar o Reino Unido contra o exército de Hitler, derrotado pelas Forças Aliadas cinco anos após os fatos narrados no filme.

O "Destino de uma Nação" nos presenteia com a jornada de um homem temperamental, rabugento e de difícil trato, que encontra a própria humanidade, em meio a suas angústias, medos, vontade de acertar e preocupação com o povo. Um verdadeiro Estadista, como poucas vezes se viu na História Política mundial. Abnegado, habilidoso, notável orador e ciente do seu dever, foi capaz de unir um país fragmentado e assustado, sem sufocar a esperança em dias melhores ou deixar de exaltar o patriotismo por uma Nação.

Foi um grande líder, que soube entender que políticas de Estado estão acima de conchavos ou políticas partidárias.

O filme é belíssimo, com uma direção, fotografia e iluminação, primorosas; fundamentais para dar mais profundidade dramática e estética ao filme. A dimensão que Gary Oldman dá ao personagem por meio de sua fala, discursos inflamados, rabugices, explosões, silêncios, olhares de incerteza e fragilidade, também merece os melhores elogios. É a consagração de um ator que soube incorporar a figura de Churchill com sensibilidade e dar-lhe intensidade nos mínimos gestos e expressões, sem cair na caricatura. Não tem como não apreciar.

Até que... as luzes do cinema se acendem e a gente não consegue parar de pensar e falar do filme.

Qual teria sido o destino do Mundo sem Winston Churchill como Primeiro-Ministro?

Caso Neville Chamberlain (Ronald Pickup) não tivesse renunciado movido pela pressão política diante do fracasso e inabilidade em lidar com o avanço dos alemães e, ao contrário, tivesse teimado em agarrar-se ao cargo como o fez Dilma Housseff, muito provavelmente, a Inglaterra e o mundo não teriam conhecido ChurchillCaso o Rei George não tivesse se mantido firme, acreditado e apoiado o seu Primeiro-Ministro, evitando deixar-se influenciar por conchavos ou o receio e vaidade de perder a popularidade. Caso a oposição insistisse em fazer a política do  “nós x ele”, ao invés de reconhecer e aplaudir o mérito de quem estava fazendo o melhor pelo país... é quase certo que os soldados britânicos teriam sido mortos em Dunquerque, os nazistas teriam invadido a Inglaterra, hasteado a bandeira com a suástica no Parlamento inglês e sabe-se lá, os rumos que a Europa teria trilhado.

Esse período da História nos leva a refletir sobre a nossa realidade, hoje.

O estado de espírito é o de estarmos sitiados como os soldados britânicos, encurralados pelo mar de escândalos, desmandos e roubalheira, à espera do resgate.

Custamos a aceitar que uma ex-presidente (Dilma Rousseff), que sofreu o impeachment por sua incompetência e fosse/é partícipe da organização criminosa que saqueou o país, continue com os direitos políticos sob o beneplácito da Suprema Corte e seja custeada pelos brasileiros, ela e um séquito de serviçais, inclusive para viajar mundo afora, destruindo a imagem do país. Custamos a aceitar que a nomeação ao Ministério do Trabalho, seja imposta a fórceps ao Presidente da República pelo pai (Roberto Jefferson) de uma deputada federal (Cristiane Brasil), medíocre, sem a menor diplomacia, conhecimento, discrição ou atributos para exercer o cargo. Custamos a aceitar que um ex-presidente (Luís Inácio Lula da Silva), condenado em duas Instâncias a mais de 12 anos de prisão em regime fechado, chefe da quadrilha que arruinou e pilhou o país, imponha a sua candidatura ao mais alto cargo do país, tripudiando da Justiça e do povo. Custamos a aceitar um Parlamento que se vende e corrompe em troca de vantagens ilícitas e interesses privados. Custamos a aceitar um Supremo Tribunal Federal que ao invés de julgar, deixa os processos se acumularem e prescreverem.

Nos sentimos acuados... A esperança está depositada nas próximas eleições. Essa é a oportunidade para extirpar da vida pública todo aquele que esteja envolvido nos crimes que a Lava Jato revelou. Elas, as eleições, são a embarcação que poderá nos resgatar. Muito embora as urnas eletrônicas continuem sem permitir auditoria ou a recontagem de votos e os pré-candidatos conhecidos até aqui, não revelem nomes capazes de imprimir a liderança e as transformações das quais estamos tão carentes. Em meio a isso, caberá ao povo, a nós, saber distinguir entre aquele que mais se aproxima de um estadista ou de um demagogo.

"A diferença entre um estadista e um demagogo é que, o demagogo decide pensando nas próximas eleições, enquanto o estadista decide pensando nas próximas gerações". (Winston Churchill)




"... Muito embora grandes extensões da Europa e antigos e famosos Estados tenham caído ou possam cair nos punhos da Gestapo e de todo o odioso aparato do domínio nazista, nós não devemos enfraquecer ou fracassar. Iremos até ao fim. Lutaremos na França. Lutaremos nos mares e oceanos. Lutaremos com confiança crescente no ar. Defenderemos nossa ilha, qualquer que seja o custo. Lutaremos nas praias. Lutaremos nas áreas de pouso. Lutaremos nos campos. E nas ruas. Lutaremos nas colinas. Não nos renderemos jamais! Pois, sem vitória, não haverá sobrevivência...". (We Shall Fight on the Beaches, parte final do discurso de Winston Churchill na Câmara dos Comuns)


Shadow/Mariasun Montañés


Licença Creative CommonsO DESTINO DE UMA NAÇÃO de MARIASUN MONTAÑES está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...