domingo, 21 de novembro de 2010


 

PAUL McCARTNEY NO ESTÁDIO NO MORUMBI, O SONHO QUE NUNCA ACABA




Leninha cresceu ouvindo os Beatles, o responsável por isso? Seu pai.

Ele, o seu Armando, era beatlemaníaco de carteirinha, quando jovem chegou até a montar uma banda cover -OS BESOUROS-, época em que conheceu a Rosinha, com quem se casaria mais tarde. Os sonhos das filhas foram embalados ao som de “YELLOW SUBMARINE”. Foi assim que, desde muito cedo, ela e sua irmã, a Valquíria, começaram a compartilhar essa paixão.


Não é preciso dizer que os momentos, mais importantes e significativos de sua vida, foram marcados por músicas da banda.

Brincou e viveu a infância ouvindo a bizarra OB-LA-DI, OB-LA-DA, aliás, ela sempre adorou a sua melodia. O começo da adolescência foi marcada por “ANOTHER GIRL”, estava naquela fase em que toda menina sente estar passando por uma grande mudança, não se reconhece mais, e ao olhar-se no espelho só consegue ver uma outra pessoa. Embora a letra da música não tivesse nada a ver com isso, o refrão lhe falava ao coração:

For I have got/Another girl.Another girl.”(Porque eu tenho/Outra garota/Outra garota).

Tinha outra garota dentro dela, ao menos era isso o que sentia, a tal ponto que quando -nessa mesma época- montou sua própria banda com mais três amigas da escola, batizou-a de OTHER GIRLS. A banda não durou muito, apenas o suficiente para brincar com o nome da música quase homônima.

Quando tinha 15 anos, em 93, seu Armando, Dna. Rosa e as filhas realizaram um grande sonho. Foram ao Estádio do Pacaembu assistir a apresentação de Paul McCartney. Leninha cantava, dançava e chorava, já sua irmã, Valquiria, pulava, gritava e... também chorava, enquanto sua mãe mal respirava de tanta emoção e os olhos de seu pai brilhavam fascinados. Era mágico ver o ídolo de toda uma vida, ali, tão pertinho! Lembra como se fosse hoje, quando Paul foi até o piano e começou os primeiros acordes de "HEY JUDE". Todos se abraçaram, se arrepiaram, cantaram e... choraram juntos, unidos e irmanados ao toque da música . Seu pai sempre gostou de cinema, e costumava contar que, na época em que as sessões eram contínuas, assistiu uma sessão seguida de outra do clássico "HELP" abraçadinho com Dna. Rosa, e ali ficaram até o cinema fechar. 

Leninha ficava imaginando como seria maravilhoso ver um filme dos Beatles na tela grande.

Até que a versão remasterizada de "A HARD DAYS NIGHT" voltou aos cinemas, e pôde -então- realizar seu desejo. Ali permaneceu, diante da tela, na fila do gargarejo, com o olhar maravilhado até as luzes se acenderem.

Quando Dna. Rosa foi ao encontro do Pai, seu Armando colocou em meio as flores, junto ao seu colo, um envelope lilás contendo a letra de “HEY JUDE”. Essa foi a comovente e terna despedida à companheira, Leninha até hoje pode jurar que, quem prestasse atenção, poderia ouvir a cítara de George ao longe.


Houve uma época em que ela sonhava com sua mãe, e no sonho ela a ninava e acarinhava cantando "STRAWBERRY FIELDS FOREVER"....

"I'm going to/Strawberry Fields/Nothing is real/And nothing to get hung about/Strawberry Fields forever" (Estou indo aos Campos de Morango/Nada é real/e nada vai te amparar/Campos de Morango pra sempre).

Hoje é inevitável não imaginar sua mãe, caminhando etérea por um lindo e iluminado Campo de Morangos....

O romance chegou intenso na vida de Leninha quando conheceu o Paulo. Ela agora tinha o seu Paul! Foi quando descobriu a poesia perfeita de “THE LONG AND WINDING ROAD


“Many times I’ve been alone/ and many times I’ve cried./Anyway, you’ll never know/ the many ways I’ve tried./ But still they leave me back (Muitas vezes eu fiquei sozinho/e muitas vezes eu chorei/De qualquer forma você nunca saberá/de quantas formas tentei./Mas ainda assim elas me trazem de volta).Essa é até hoje uma de suas músicas preferidas, ever!!! Ela foi um marco, ficou tatuada naquela fase da vida onde namorar e querer, trazem sentimentos complicados de viver e gostosos de sentir. Ela chorou e amou ao som dos Beatles, assim como tantos outros.

O Paulo ficou no passado, assim como os bailinhos de final de semana, onde dançava coladinho ao som de “YESTERDAY”...


"Yesterday/All my troubles seemed so far away/Now it looks as though they're here to stay/Oh, I believe/In yesterday" (Ontem/Todos os meus problemas pareciam tão distantes/Agora parece que eles vieram pra ficar/Oh, eu acredito/No passado). 

Em mais de uma ocasião teve vontade de voltar e sonhar novamente, mas a vida segue, não espera por ninguém. "LET IT BE". Deixa estar...

"When I find myself in time of trouble/Mother Mary comes to me/Speaking words of wisdom, let it be... (Quando eu me encontro em momentos difíceis/Mãe Maria vem para mim/Falando palavras de sabedoria, deixa estar...)

And in my hours of darkness/She's standing right in front of me/Speaking words of wisdom, let it be... (E nas minhas horas de escuridão/Ela está em pé bem na minha frente/Falando palavras de sabedoria, deixa estar...)Let it be, let it be, let it be, let it be/Whisper words of wisdom, let it be"... (Deixa estar, deixa estar./Sussurrando palavras de sabedoria, deixa estar.).

Se Leninha tivesse que definir sua vida, diria que é um grande acervo musical. Cada momento significativo, lembranças, sonhos, lutos, alegrias, tristezas, conquistas, separações, ganhos, perdas estão marcados indelevelmente e para sempre nas músicas dos Beatles. O título desse acervo talvez pudesse ser “IN MY LIFE”...

“There are places I remember/All my life though some have changed/Some forever not for better/Some have gone and some remain” (Há lugares de que me lembro/Toda minha vida, apesar de alguns terem mudado/Alguns para sempre, não para melhor/Alguns se foram e alguns permanecem).


Hoje ela está lá, no Estádio do Morumbi, ao lado do Tavinho. É parece que a história dos dois continua. Quem diria que a Leninha encontraria o amor numa Festa Junina?!? Juntos vão assistir ao show do Paul McCartney, ela irá rever o ídolo novamente. Enquanto esperam, ele (o Tavinho) cantarola em seu ouvido “ALL MY LOVING”...

"Close your eyes and I'll kiss you/Tomorrow I'll miss you/Remember I'll always be true. (Feche os olhos e eu te beijarei/Amanhã vou sentir sua falta/Lembre-se que sempre serei fiel) And then while I'm away/I'll write home every day/And I'll send all my loving to you." (E quando eu estiver longe/Vou te escrever todo dia/E mandar todo meu amor pra você).

Seu Armando foi convidado para ir com eles, mas preferiu ficar em casa. Ainda está muito vivo em sua memória, aquele dia, no Pacaembu, em que abraçado à sua amada Rosa e às filhas cantou junto com o Paul,
"HEY JUDE"...


“Hey, Jude, don't make it bad,/Take a sad song and make it better/Remember to let her into your heart,/Then you can start to make it better.” (Ei, Jude, não fique mal,/Escolha uma música triste e melhore-a./Lembre-se de deixá-la entrar em seu coração,/Então você pode começar a ficar melhor.).


E enquanto o show não começa...fique com "ALL YOU NEED IS LOVE"...







Paul MacCartney está no Brasil, fará dois megashows no Estádio do Morumbi (hoje e amanhã), ingressos esgotados, as filas começaram a ser formar na quinta-feira. Nela gente de todas as tribos, idades, Estados e países vizinhos, cantando em coro, sem parar, Yesterday, Help, Let it Be,...


Músicas dos Beatles que se confundem com Paul, pois onde ele estiver, estarão os Beatles, reunindo uma legião de fãs de todas as faixas etárias. Paul é a voz que -ainda hoje- nos aproxima dos quatro fabulosos de Liverpool, imortalizados em suas composições e músicas.


Os anos dourados se transformaram, tabus foram quebrados, costumes mudados, e o mundo ganhou um novo sentido, tudo embalado ao som dos Beatles.

Em suas divinas canções lá estavam a liberdade, a paz e o amor como sonhos possíveis. Seus acordes e mensagens foram levados pelo vento e pelo tempo e se espalharam pelos quatro cantos do mundo. Forever.


De certo, o mundo mudou, as pessoas mudaram, mas o sonho...ah, o sonho...esse não acabou. Ainda há esperança, e onde ela estiver, sempre será possível acreditar num mundo em que a paz caminhe de mãos dadas com o amor e a liberdade!

Seja bem vindo Paul!!!

E você, tem alguma música em especial para lembrar?


Shadow/Mariasun



Licença Creative CommonsPAUL McCARTNEY NO ESTÁDIO DO MORUMBI, O SONHO QUE NUNCA ACABA by MARIASUN MONTAÑÉS is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas 3.0 Unported License.



Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...